últimas notícias

Hamilton faz corrida perfeita e Verstappen assusta, mas vai ao pódio: a história do GP da Hungria

  • Inglês também marcou a volta mais rápida da corrida e quebrou recorde

  • Verstappen chegou a bater durante aquecimento, mas se recuperou durante a prova


Por Saulo Bastos e Valentin Furlan — Mogyoród, Hungria


Hamilton celebrando vitória na Hungria — Foto: Mark Thompson / Pool / AFP

Neste domingo (19), ocorreu a 3ª etapa do Mundial de Fórmula 1 2020. A corrida no circuito de Hungaroring, na Hungria, iniciou sob pista úmida, devido à chuva que caiu pouco antes da prova.


Hamilton acabou vencendo sem maiores problemas, seguido de Verstappen e Bottas. Veja agora todos os destaques e a história da prova!



ACIDENTE DE VERSTAPPEN


Nas voltas de instalação que acontecem 15 minutos antes do procedimento de largada, Max Verstappen perdeu o controle da sua Red Bull e acabou batendo e danificando a suspensão dianteira do seu carro. Felizmente, e equipe trabalhou bem e conseguiu reparar sua máquina a tempo da largada.


Verstappen quase não teve tempo de iniciar a prova, por batida em aquecimento — Foto: Pirelli Motorsport


+ Veja a classificação completa e atualizada do Campeonato Mundial dos pilotos e dos construtores


+ Confira como foi o treino classificatório deste sábado para a corrida!



A LARGADA


Todos foram para a largada de pneus para chuva do tipo intermediário, com exceção de Magnussen (Haas) que escolheu pneus para chuva extrema. Porém, logo ao final da volta de apresentação, ambos os carros da equipe americana, Magnussen e Grosejean, foram aos boxes para realizar a troca dos compostos de chuva para os de duros de pista seca.


Apagadas as luzes, Lewis Hamilton (Mercedes) se manteve na ponta. Seu companheiro de equipe, Valtteri Bottas (Mercedes) largou muito mal e caiu para a sexta posição. As Ferraris conseguiram largar bem, se posicionando nas quarta e quinta posições, com Vettel e Leclerc, respectivamente. Destaque para o lindo início de Verstappen, que pulou para a terceira posição com direito à um arrojado ataque à Racing Point de Stroll.



TODO MUNDO AOS BOXES!


Logo na segunda volta, Leclerc e Bottas pararam para trocar seus pneus de chuva para os de pista seca medianos. Na sequência, os demais pilotos também começaram ir ao pit lane, afinal, a pista claramente estava secando.


Latifi acabou perdendo o controle da sua Williams logo na saída dos boxes e teve o pneu traseiro furado. Ainda assim, conseguiu dar a volta completa, fazer a troca por um composto novo, mas ficando uma volta atrás do líder.


Após as alterações, Hamilton iniciou uma sequência de voltas mais rápidas, seguido por Verstappen, que vinha atrás a mais de 7 segundos. Naquele momento, a estratégia da Haas mostrou-se eficiente, já que Magnussen e Grosjean vinham logo depois do holandês.


Haas teve início promissor de Grand Prix — Foto: Pirelli Motorsport


HAMILTON CONSOLIDANDO-SE E BOTTAS EM RECUPERAÇÃO


Na 8ª volta, a briga pelo sexto lugar estava interessante, com Bottas atacando Leclerc e ainda conseguindo superar o monegasco, um pouco depois.


Hamilton já tirava 10 segundos sobre o segundo colocado Verstappen, seguido de perto por uma surpreendente Haas de Kevin Magnussen. Stroll se aproximava para brigar pela posição, assim como Bottas, que vinha volta a volta tirando a diferença para a Racing Point.



ABANDONO DE GASLY


Na volta 17, Gasly abandou a corrida com problemas de motor, que se repetiram durante todo o final de semana, enquanto Stroll e Bottas finalmente conseguiam superar Magnussen. Mesmo assim, ver a Haas nas quinta e sexta colocações era algo impensável, ainda mais lembrando dos inúmeros problemas que a equipe enfrentou nos últimos GPs.


Gasly não pôde terminar a prova por mais problemas na unidade de potência — Foto: Scuderia AlphaTauri


VIDA COMPLICADA DE LECLERC


Pouco tempo depois, Alexander Albon conseguiria superar Leclerc e assumir o sétimo lugar. Ficou nítido que a Ferrari estava segurando o ritmo do tailandês, que após a ultrapassagem já impôs uma confortável diferença à dupla ferrarista.


A seguir, Vettel passou Leclerc e também conseguiu abrir vantagem. Estava claro que os pneus macios de Charles não rendiam tão bem e, quando o monegasco era atacado por Pérez, Ricciardo e Sainz, foi aos boxes para retornar ao asfalto de pneus duros, de faixa branca, para ir até o final da prova.


As posições permaneceram inalteradas até a 29ª volta, quando Albon conseguiu superar Grosjean para assumir a 6ª posição.



BRIGA EQUILIBRADA POR POSIÇÕES


Se na volta 31, Hamilton levava uma vantagem de 15 segundos para Verstappen, Vettel fazia sua segunda parada nos boxes e colocava pneus duros para ir até o final da prova e tentar abir mais passagem para lugares no grid. Pérez ultrapassou Grosjean para assumir o sétimo posto, enquanto, no pelotão final do grid, Leclerc e Norris travavam uma disputa intensa há mais de 5 voltas pela 13ª posição.


Nesse meio tempo, Ricciardo era o homem da vez na tentativa de ultrapassar a Haas de Grosjean, que vinha perdendo posições sucessivamente.


Com uma enorme incerteza se a chuva cairia ou não, as equipes partiram para a segunda rodada de pit stops, mas sem alteração nas posições da frente.



MERCEDES NO MÁXIMO DE POTÊNCIA!


Com pneus médios, Bottas iniciou uma sequência de voltas rápidas em busca de Verstappen, vice-líder, de pneus duros e 5 segundos à frente. A diferença entre e os dois chegou a ser menor que um segundo, entretanto, o finlandês não teve êxito, e acabou fazendo mais um pit stop e retornando à pista com os pneus duros. Era uma aposta ousada da Mercedes, uma vez que ao intervalo subiria para 20 segundos. Mas era certeira, já que começaram a tirar 1,5 segundo por volta.


A performance de Hamilton era tão intensa, que na 58ª volta o inglês colocou uma volta de vantagem no quinto colocado Sebastian Vettel e, mesmo com pneus desgastados, levava quase 25 segundos sobre Verstappen, que via a diferença para Bottas ser amenizada a cada volta que se passava. Contudo, novamente, o finlandês acabou não obtendo sucesso e finalizou no pódio, mas na terceira colocação.



PERDA DE POSIÇÕES DA FERRARI


Em uma disputa de mais de 20 voltas, Carlos Sainz conseguiu ultrapassar Charles Leclerc para assumir a décima posição. Esses esforços significaram pelo menos um ponto no final da prova.


Na volta 67, Albon também ultrapassou Vettel para assumir o quinto posto.



MELHOR VOLTA DA HISTÓRIA DO CIRCUITO


Com 27 segundos de diferença para Max, Hamilton foi aos boxes trocar seus pneus médios pelos macios. Claramente, queria garantir o ponto extra pela volta mais rápida. E assim fez, marcando tempo de 1m16s627 e quebrando o recorde detido por Max Verstappen, no ano passado.


O resultado final do GP da Hungria foi: Lewis Hamilton vencedor, Max Verstappen em segundo, Valtteri Bottas em terceiro, seguido de Lance Stroll (quarto) e Alexander Albon (quinto). Completaram os 10 primeiros: Sebastian Vettel, Sergio Pérez, Daniel Ricciardo, Kevin Magnusen e Carlos Sainz.


Hamilton, após passar pela linha de chegada — Foto: Mercedes-AMG F1


RESULTADOS DA CORRIDA


Tempos do Grande Prêmio no Hungaroring — Foto: FOM / Reprodução


+ Veja a classificação completa e atualizada do Campeonato Mundial dos pilotos e dos construtores


+ Confira como foi o treino classificatório deste sábado para a corrida!



E AGORA?


A temporada 2020 segue com os motores ligados! Daqui a duas semanas, com início das atividades na sexta-feira (31), com os treinos livres 1 e 2, os pilotos voltam ao asfalto na Inglaterra, para a rodada-dupla em Silverstone, na Inglaterra. O ZonaMista.net, claro, fará a cobertura completa do fim de semana!


Hamilton em bandeira quadriculada — Foto: Mercedes-AMG F1