últimas notícias

Após GP "inaceitável", Wolff fala sobre travada de pneus de Hamilton: "Não pode ser chamada de erro"


Toto Wolff observa ação do paddock, durante o Grande Prêmio do Bahrein — Foto: Mark Thompson / Getty Images

Após o pior fim de semana da história recente da Mercedes, o chefe de equipe Toto Wolff deu as cartas e chamou a performance das Flechas Prateadas em Baku de "inaceitável". Foi a primeira vez desde o GP da Inglaterra de 2018 que ambos os carros do time viram a bandeira quadriculada de fora do top 10.

LEIA: Verstappen lamenta derrota "muito frustrante" em Baku: "Às vezes dá pra odiar este esporte"

Valtteri Bottas foi quem mais sofreu. Largou apenas no 10° lugar e perderia duas posições logo na primeira volta. Com dificuldades para encontrar ritmo, terminou apenas em 12°.

LEIA: Pirelli explica acidentes no Azerbaijão e revela corte em pneu de Hamilton

Hamilton, por outro lado, teve vida mais esperançosa. Fez corrida boa e chegou a liderar a prova, mas sofreu overcuts de Verstappen e Pérez, o fazendo cair para o 3° lugar. Na volta 47, Max bate e causa uma bandeira vermelha, e a prova foi reiniciada da maneira convencional - uma relargada. Lewis chega a assumir a liderança por alguns milésimos de segundo, mas travou pneus na curva 1 e terminou na parte de trás do pelotão.

"Estou muito bravo", avisou. "[Mas] não tenho dúvidas: essa é uma equipe muito forte. Nós vamos transformar a raiva em forças positivas. Somos guerreiros e vamos dar a volta por cima."

"[A travada de pneus de Hamilton] não pode ser chamada de erro. Quando Sergio [Pérez] ameaçou, ele encostou em um botão e o equilíbrio dos freios mudou, foi todo para a parte da frente e aí, obviamente, o carro não para", disse.

Momento em que o heptacampeão mundial travava os pneus dianteiros e passava reto na curva 1 — Foto: Clive Rose / Getty Images

E o mandachuva continuou: "Tanto em Mônaco quanto aqui, nós não tivemos um carro competitivo", lamentando apenas sete pontos conquistados nos últimos dois GPs. "Simplesmente não é aceitável não conseguir colocar o carro em performance no começo ou depois dos pit stops", se referindo à dificuldade em aquecer pneus verificada nas últimas provas. "Estamos perdendo segundos e mais segundos para colocar o carro em uma boa janela para funcionar. Simplesmente demora muito."

LEIA: Toda a história do Grande Prêmio do Azerbaijão

No final das contas, apenas Sergio Pérez pontuou dentre os pilotos da Mercedes e da Red Bull, o que levou a equipe comandada por Christian Horner à liderança ainda mais isolada do campeonato de construtores - a diferença, antes de apenas um ponto, subiu para 26.